Vacinação contra a Covid-19 no Acre pode começar até o fim de janeiro, de acordo com o secretário de saúde em webpalestra do Telessaúde Acre

Vacinação contra a Covid-19 no Acre pode começar até o fim de janeiro, de acordo com o secretário de saúde em webpalestra do Telessaúde Acre

Grupos prioritários, estrutura de armazenamento das doses e situação epidemiológica do Acre foram alguns dos pontos esclarecidos durante a discussão.

O Secretário de Saúde do Acre, Alysson Bestene, na webpalestra do Telessaúde Acre.

“Todos os esforços estão sendo feitos para que esse processo se inicie ainda em janeiro”, disse o secretário de saúde do Acre, Alysson Bestene, durante a apresentação do Plano de Imunização contra a Covid-19 na primeira webpalestra de 2021 do Telessaúde Acre. Durante o detalhamento das ações planejadas, foi enfatizada a necessidade de alcançar o máximo de pessoas possíveis com a aplicação das duas doses da vacina, em especial as pessoas do grupo de risco.

A coordenadora do Plano Nacional de Imunização no Acre, Renata Quiles, informou que assim que chegarem as primeiras doses da vacina, a prioridade será na aplicação em pessoas acima de 80 anos, indígenas, população ribeirinha e trabalhadores da saúde e da educação que estão expostos ao vírus. Ao alcançarem a meta, estabelecida através da observação do perfil epidemiológico, os próximos serão os pacientes com mais de 60 anos e pessoas com comorbidades.

A coordenadora do Plano Nacional de Imunização do Acre, Renata Quiles, fala sobre os planejamentos para a vacinação no estado. Foto: Renato Menezes/Telessaúde.

No entanto, ela esclareceu que o Plano, que consiste em dez fases, foi pensado em todo o público-alvo, que corresponde em 614.030 pessoas. Após a imunização das prioridades, o objetivo é vacinar todas as pessoas de 20 a 59 anos que não estão inclusas neste grupo. Como restrições, excluem-se pessoas menores de 18 anos e gestantes, uma vez que os estudos de segurança dos testes não demonstraram a eficácia necessária.

Contudo, enfatizou que é extremamente necessário que as pessoas que serão contempladas com as doses se disponham a se vacinar para a proteção das outras pessoas. “Se uma pessoa que está inclusa no público prioritário se recusa a tomar a vacina, deixará de estar protegendo as crianças e as grávidas que não poderão receber a vacina”, falou.

SOBRE AS VACINAS

A coordenadora disse que, através do Ministério da Saúde e pelos acordos realizados, o estado está previsto para receber as doses fabricadas pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) em parceria com a Farmacêutica AstraZeneca, e as do Instituto Butantan em parceria com a Farmacêutica Sinovac, esta última firmada recentemente. Também reiterou que “essa campanha de vacinação precisa ser ainda mais eficiente do que as de campanha”, mas acredita no potencial do país.

Com relação ao transporte, o estado subsidiará todos os municípios, com a disponibilização de aeronaves estaduais para os lugares de difícil acesso. O estoque conta com 700 mil unidades de seringas, mas planeja a aquisição de mais 1,1 milhões. Com as 500 mil que serão enviadas pelo Ministério da Saúde, o Acre contará com 2,3 milhões disponíveis. O treinamento dos profissionais da saúde para a campanha, por sua vez, ocorrerá por modalidade Ensino à Distância, com data a ser definida pelo Ministério da Saúde.

Por fim, pediu para que a população não caia em desinformação. “O empenho é que consigamos chegar até o final de 2021 respirando e vendo que o objetivo foi alcançado, mas não conte apenas com a vacina. Continue com os métodos de segurança e não caia em fake news”.

Para assistir a webpalestra gravada, clique aqui.

Foto: Renato Menezes/Telessaúde